https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/biodiversidade/issue/feed Biodiversidade 2021-03-04T15:08:43+00:00 Mauro Osvaldo Medeiros maurosvaldo@bol.com.br Open Journal Systems <span>A Revista </span><strong><em>BIODIVERSIDADE</em></strong><span> é publicada pelos Grupos de Pesquisa : PCR –</span><em>Percevejo Castanho das Raízes</em><span> e ESCER – </span><em>Estudando o Cerrado</em><span>, do Departamento de Ciências Biológicas, C</span><em>ampus </em><span>de</span><em> </em><span>Rondonópolis da Universidade Federal do Mato Grosso. Esta revista de amplitude biológica, universal, tem como objetivo levar informações aos diversos segmentos de ensino e pesquisa voltados para as diferentes áreas do conhecimento científico e tecnológico.</span> https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/biodiversidade/article/view/11951 EDITORIAL 2021-03-04T13:04:56+00:00 Elza Amélia de Souza sousa08@bol.com.br <p>A difusão do conhecimento científico por meio de publicações tem um peso considerável nos avanços dos conhecimentos acadêmicos, e principalmente, na sociedade em geral, que contribui para a valorização de resultados de pesquisas e consolidação de Grupos de Pesquisadores, por meio da difusão do conhecimento, respaudado por um vínculo de qualidade e responsabilidade.&nbsp;</p> <p>Nessa última década, o interesse pela pesquisa vem crescendo e também o volume de trabalhos surgidos nessa área, tanto no nosso como em outros países, e que não se restringe mais ao meio universitário. Para isso, é necessário que se publiquem as pesquisas.</p> <p>É dentro desta tradição que, quero registrar que agora em 2021, a Revista “Biodiversidade”, está completando vinte anos de existência. Contribuindo com o conhecimento e divulgação técnico-científica de diferentes estudos e pesquisas realizados sobre a diversidade biológica. Colocando à disposição da sociedade em geral contribuições de autores que se originam a partir dos Grupos de Pesquisas certificado no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) de todas as regiões do país e mesmo do exterior.</p> <p>A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas e fonte de imenso potencial de uso econômico, humano, social e ambiental. É base das atividades agrícolas, pecuárias, florestais, pesqueiras e, também, potencial estratégico para o desenvolvimento industrial e biotecnológico. Assim, o adjetivo "<strong>Biodiversidade</strong>", no nome da revista, significa espaço, para uma publicação científica voltada à diversidade biológica, que possa ser representativa da imensa produção intelectual que vemos circular nos congressos, simpósios, jornadas, encontros etc., que regularmente ocorrem por todo o país.</p> <p>Portanto, temos a satisfação de divulgar primeira edição de 2021 iniciando o vigésimo volume - da Revista “Biodiversidade”, um projeto concebido para possibilitar a publicação de artigos científicos inéditos, de revisão da literatura ou relato de casos que possuam relevância em suas respectivas áreas do saber científico.</p> <p>Esperamos que a confiança depositada nesta revista, como um dos meios para a socialização dos resultados de pesquisa, se renove, propiciando uma maior visibilidade à produção acadêmica, concorrendo para que ela se torne efetivamente pública.</p> <p>Queremos ainda, convidar os autores de trabalhos científicos que se enquadram em nosso escopo editorial para o envio de seus artigos para análise editorial, para quem sabe, compor a segunda edição do vigésimo volume de 2021. Boa leitura!</p> <p>&nbsp;</p> <p>Pela preferência em publicar na revista Biodiversidade, agradecemos a todos.</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> <p><strong><em>Dra. Elza Amélia de Souza</em></strong></p> <p>Prof. Associada do Dep. De Biologia/ICEN/CUR/UFMT</p> <p>Membro do Conselho Editorial/Revista Biodiversidade</p> 2021-03-04T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Biodiversidade https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/biodiversidade/article/view/11952 AN ENIGMATIC TOOTH OF ABELISAURIDAE FROM PEIRÓPOLIS PALEONTOLOGICAL SITE (MARÍLIA FORMATION, BAURU GROUP) WITH CHARACTERS OF TROODONTIDADE 2021-03-04T13:21:00+00:00 Camila dos Santos Pereira camilaperufop@yahoo.com.br Stephen L. Brusatte sbrusatte@yahoo.com.br Matheus dos Santos Sousa hook1665@gmail.com Carlos Roberto A. Candeiro candeiro@ufg.br <p>In this work, the results of an analysis of an isolated tooth of theropod dinosaur, found in the Paleontological Site of Peirópolis, in the state os Minas Gerais, correspondent to the Marília Formation, a component of an important brazilian basin, where relevant fossil assemblages were found. Through the morphological analysis and comparison of the tooth with previous examples, besides the assistance of an extensor database, the sample in question was framed in a family.</p> 2021-03-04T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/biodiversidade/article/view/11953 ESTUDO DA BIODIVERSIDADE DO ÁCARO VERMELHO (TETRANYCHUS SPP) E SEUS INIMIGOS NATURAIS (NA CULTURA DE TOMATE- Lycopersicon esculentum Miller) NOS DISTRITOS DE SÁBIE, CHOKWÉ E MOAMBA-SEDE (MOZAMBIQUE) 2021-03-04T13:38:35+00:00 Efraime da Graça Armando Gobeia egobeia@gmail.com <p>O presente trabalho é resultado de um estudo realizado nos distritos de Sábie, Chokwé, Machipanda e Moamba-sede no período compriendido entre Junho e Julho de 2016. O levantamento teve como objetivo a identificação das diferentes espécies do ácaro vermelho (<em>Tetranychus spp</em>) e seus inimigos naturais na cultura do tomate (<em>Lycopersicon esculentum </em>Miller) através de técnicas moleculares e morfológicas. No levantamento foram amostrados 10 campos de Tomate em cada um dos postos administrativos dos distritos de Sábie, Moamba-sede, Chokwé e Machipanda. Em cada campo 20 plantas foram aleatoriamente selecionadas e inspecionadas as páginas inferiores dos 5 folíolos maiores de 10 folhas basais. Nas folhas infestadas com a ajuda de uma lupa de mão (10X) e um píncel, os ácaros foram contados, registados na folha de dados partindo sempre do princípio que em campos demasiado infestados o número de ácaros era achado por estimação. De seguida estes foram colocados em frascos (com indicação do local, campo, data de colheita), contendo álcool a 85%. Posteriormente os ácaros coletados, identificados inicialmente de forma morfológica no laboratório de entomologia da Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal da Universidade Eduardo Mondlane (UEM) em Maputo (Moçambique) e de seguida a nível molecular através das técnicas R.A.P.D (Random Amplified Polymorphic DNA<em>)</em> e R.F.L.P (Restriction Fragment Length Polymorphism<em>)</em> no centro de Biotecnologia da UEM. Em todos os distritos amostrados foram apenas identificadas as espécies <em>Tetranychus evansi e urticae. </em>A espécie <em>T.evansi</em> foi mais abundante em todos os distritos com cerca de 90%, 85%, 80% e 85% nos distritos de Chókwè, Moamba-Sede, Machipanda e localidade de Sábie respectivamente. Não houve diferenças significativas entre as densidades médias, nível médio de ataque, percentagem de infestação ocorridos nos 4 distritos segundo o teste de Fisher "F" a um nível de significância de 5%, tendo sido encontradas diferenças significativas apenas no cálculo da abundância relativa. Da identificação molecular realizada com base nas técnicas R.A.P.D.e R.F.L.P., não foi possível fazer a diferenciação das espécies do ácaro, dado o facto de a maior parte dos resultados do gel de agarose visualizados na luz ultravioleta não mostrarem com clareza a diferença entre as bandas de uma espécie e da outra. Também não foi registado nenhum inimigo natural em todos os locais de amostragem.</p> 2021-03-04T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/biodiversidade/article/view/11954 FANERÓGAMAS NA ARBORIZAÇÃO DA AVENIDA ARAUCÁRIA, FOZ DO IGUAÇU – PR – BRASIL 2021-03-04T13:45:45+00:00 Izabele Oliveira Munaro izabelemunaro67@gmail.com Gabriela Naomi Ichikawa gabii.iichikawa@gmail.com Mariana Albuquerque de Souza mariana.albuquerqs@gmail.com Felipe André Fusiger felipe.a.fusiger@gmail.com Helena Terezinha Pimentel Vieira helena.terezinha@gmail.com Yenifer Carolina Cajas Guaca jenifercajasg@gmail.com Laura Cristina Pires Lima laura.lima@unila.edu.br <p>A arborização das cidades surgiu da necessidade de se manter o vínculo entre população urbana e a natureza. Quando realizada de maneira adequada, ela garante a prestação de serviços ambientais como regulação microclimática, redução da poluição atmosférica e sonora, conservação da biodiversidade nativa e melhoria estética das cidades. Foz do Iguaçu com uma área considerável de remanescentes florestais, belezas naturais e potencial turístico, não possui um projeto adequado de arborização. Nesse sentido, este trabalho se propôs a realizar um levantamento das fanerógamas na Avenida Araucária, no bairro Vila A, em Foz do Iguaçu - PR, Brasil, seus usos potenciais e síndromes de dispersão, de modo a contribuir com informações básicas para o plano de arborização do município. As coletas se deram entre meses de 2018 e 2019, as amostras coletadas foram herborizadas, identificadas e incorporadas ao herbário EVB. Assim, foram identificadas 59 espécies circunscritas em 26 famílias, sendo as mais representativas Fabaceae (21 spp.) e Moraceae (4 spp.), 56,7% são nativas e 43,3% exóticas, 22 das espécies nativas são comuns em florestas estacionais. As principais formas de dispersão foram zoocoria, anemocoria e autocoria, de polinização, a entomofilia. Dentre as espécies encontradas, nota-se um número considerável de espécies inapropriadas para o plantio em cidades, como espécies invasoras e exóticas e/ou tóxicas. Os dados levantados evidenciam a necessidade de um plano de arborização relacionado com o fornecimento de serviços ecossistêmicos essenciais para a promoção do bem-estar, saúde pública e qualidade ambiental na cidade.</p> 2021-03-04T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/biodiversidade/article/view/11955 SAZONALIDADE DE SATURNIIDAE (LEPIDOPTERA, BOMBYCOIDEA) EM DOIS ESTRATOS FLORESTAIS NA FLORESTA NACIONAL DO TAPAJÓS 2021-03-04T13:56:52+00:00 Janaina da Cruz Campelo janainacruz18@gmail.com José Augusto Teston jateston@gmail.com <p>A abundância e a atividade dos insetos podem ser fortemente influenciadas pelas condições climáticas, do qual, a chuva é um dos principais fatores que podem afetar a dinâmica das comunidades de insetos. Este trabalho estudou a distribuição das mariposas Saturniidae em dois estratos (dossel e sub-bosque) nos períodos mais e menos chuvoso. Durante um ano, coletou-se mensalmente, no dossel e sub-bosque, em dois pontos amostrais na Floresta Nacional do Tapajós. Fez-se análises circulares, utilizando dados de abundância das subfamílias e das espécies mais abundantes (N =&lt; 10), em cada estrato. Foram capturados 639 indivíduos de 76 espécies, com representantes de quatro subfamílias. As análises circulares revelaram que a maioria das subfamílias e das espécies analisadas não apresentaram resultados estatisticamente significativos na preferência de período (mais e menos chuvoso) nos estratos, entretanto, os meses do período mais chuvoso possuem uma tendência de maior concentração na abundância das subfamílias e para a maioria das espécies analisadas. As variações na precipitação na Amazônia talvez não sejam fortes o suficiente para influenciar a abundância de Saturniidae, permitindo que estas ocorram durante o ano todo, sem demonstrar uma alta concentração de abundância para um determinado período entre os estratos.</p> 2021-03-04T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/biodiversidade/article/view/11957 ANÁLISE QUALI-QUANTITATIVA DA ARBORIZAÇÃO URBANA DO BAIRRO LIVRAMENTO, MUNICÍPIO DE SANTARÉM, PARÁ, BRASIL 2021-03-04T14:07:54+00:00 Jaiton Jaime das Neves Silva jaitondneves@gmail.com Lucas Geovane de Medeiros Santana lgeovanee@gmail.com Diego Lima Aguiar lima.diego.raiuga@gmail.com Juliano José Mota da Rocha rjulianoj@gmail.com Marina Gabriela Cardoso de Aquino marinaacardosoo@gmail.com Mayra Piloni Maestri mayrapmaestri@gmail.com <p>O trabalho teve como objetivo analisar os aspectos quali-quantitativos da arborização do bairro Livramento, localizado no município de Santarém - PA. Foram coletadas dos indivíduos as variáveis: fitogeografia, altura total, conflitos com a rede elétrica, fitossanidade e manejo. No inventário foi utilizado a amostragem sistemática por pontos alternados, com o total de 18 pontos amostrais. Foram encontrados 198 indivíduos, divididos em 16 famílias e 27 espécies. No entanto, o trabalho irá focar nas 5 espécies mais representativas: <em>Mangifera indica </em>L.<em>, Ficus spp., Eugenia malaccensis </em>L.<em>, Licania tomentosa </em>(Benth) Fritsch e <em>Crescentia cujete </em>L, que totalizam 70,7% do total de indivíduos inventariados. As alturas dos indivíduos indicaram que 34,2% apresentaram conflito com fiação elétrica, as espécies <em>Mangifera indica</em> L. e <em>Eugenia malaccensis</em> L. se destacaram nesse aspecto. Quanto a posição das raízes, 11,4% apresentaram afloramento, dos quais a espécie <em>Ficus spp.</em> representou 62,4% desse total. Portanto, através do estudo conclui-se que a arborização do bairro Livramento foi feita de maneira inadequada, resultado da falta de planejamento na sua implantação, e que tem causado inconvenientes como conflitos com calçadas e rede elétrica.</p> 2021-03-04T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/biodiversidade/article/view/11958 ARBORIZAÇÃO URBANA DO BAIRRO SANTA CLARA, SANTARÉM, PARÁ: DIVERSIDADE FLORÍSTICA, ORIGEM E CONFLITOS COM A FIAÇÃO ELÉTRICA 2021-03-04T14:21:20+00:00 Marina Gabriela Cardoso de Aquino marinaacardosoo@gmail.com Jaiton Jaime das Neves Silva jaitondneves@gmail.com Mayra Piloni Maestri mayrapmaestri@gmail.com <p>A arborização urbana é toda cobertura vegetal de porte arbóreo presentes nas cidades e tem como objetivo principal o enriquecimento da paisagem e da qualidade do meio ambiente. Dessa forma, o objetivo do trabalho foi analisar a arborização urbana do bairro Santa Clara, no município de Santarém, Estado do Pará, quanto a sua diversidade florística, origem das espécies utilizadas na arborização e seus conflitos com a fiação elétrica da cidade. Para o presente trabalho, foi realizado um inventário com planilhas estruturadas e feitos registros fotográficos de todas as árvores inventariadas. Para identificação das famílias e espécies foi utilizada referências bibliográficas especializadas. Após a coleta de dados, as informações foram tabuladas em planilha do Microsoft Excel, e realizada análise de dados. Foram encontradas 411 plantas arbustivas e arbóreas, pertencentes a 28 espécies, atribuindo à arborização do bairro Santa Clara uma boa diversidade de espécies, em que a Mangueira a espécie mais frequente, seguida do Ipê-amarelo, Oiti, Nim e Ficus<strong>. </strong>O Índice de Shannon-Weaver (H’) atingiu o valor de 2,16 e o Índice de Equabilidade de Pielou (J) apresentou valor 0,65. Quanto a origem das espécies utilizadas, 50% são nativas e 50% consideradas exóticas. Além disso, a maior parte das espécies apresentou contato com a fiação elétrica dos centros urbanos (51%). Há um predomínio de indivíduos de espécies exóticas na arborização, causando a desvalorização flora nativa local que possui espécies de grande potencial para arborização urbana no bioma Amazônia.</p> 2021-03-04T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/biodiversidade/article/view/11959 ANÁLISE FÍSICO-QUIMICA E SENSORIAL DE COOKIE INTEGRAL ENRIQUECIDO COM FARINHA DE GUARANÁ (Paullinia cupana) E BANANA DESIDRATADA (Musa sp.) 2021-03-04T14:34:01+00:00 Jessica Nayara Pena Alves email@nao.informado João Marcos Moreira Silva email@nao.informado Suely Rodrigues Pereira email@nao.informado Ronilson Ferreira Freitas email@nao.informado <p>A população está com a rotina cada dia mais intensa, e isso, acarreta um desgaste físico e psíquico. O desgaste físico vem os consumindo muito, fazendo com que as pessoas se sintam cansadas, sem ânimo, e cada dia mais estressadas. Todos esses sintomas afetam principalmente a alimentação por se ter pouco tempo para as refeições, comprometendo a saúde pela ingestão de alimentos de má qualidade nutricional. Neste contexto, a utilização da farinha de guaraná entra com um forte teor nutricional para reposição energética para este tipo de procura. Assim, objetivou-se com este estudo avaliar a viabilidade da utilização da farinha de guaraná (<em>Paullinia cupana</em>) e banana desidratada (<em>Musa</em> sp.) para a produção de Cookie. Trata-se de um estudo quantitativo, descritivo e experimental. Através da análise fitoquímicas foi possível observar a presença de taninos, flavonoides, alcaloides e saponinas. Nas análises físico-químicas observou-se que o teor de lipídeos foi de 2,74%, acidez 0,10%, umidade 1,29%, cinza 11,58% e proteína 0,51%. Na análise sensorial, no teste de aceitação, 38% dos julgadores relataram “gostar extremamente” do cookie e no teste de intenção de compra, 48% do total responderam que “decididamente compraria” o produto. Conclui-se que é possível a utilização da farinha de guaraná em produtos de panificação e sua possível comercialização.</p> 2021-03-04T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/biodiversidade/article/view/11960 DETERMINAÇÃO DE CONTAMINANTES EMERGENTES NO RIO LONTRA (SALTO DO LONTRA – PARANÁ) 2021-03-04T14:38:31+00:00 Pamela Koerich email@nao.informado Italo Kael Gilson kael.gilson1988@gmail.com Marcos Geraldo Vieira email@nao.informado Sergiane Caldas Barbosa email@nao.informado Marina Raisa Vilela da Silva email@nao.informado Ednei Gilberto Primel email@nao.informado André Luiz Radunz email@nao.informado Liziara da Costa Cabrera email@nao.informado <p>Hoje a química ambiental tem chamado a atenção para um novo modo de contaminação denominado contaminação emergente, que se define por substâncias proveniente da excreção e/ou descarte inadequado de medicamentos, produtos de cuidados pessoais e agroquímico. Esses compostos são detectados nas matrizes aquáticas em concentrações extremamente baixas&nbsp; mas, podem desempenhar disfunções indesejável aos organismos expostos. Ressalta-se que o monitoramento desses compostos não é regulamentado pela legislação. Desta forma, esse trabalho aborda uma pesquisa sobre contaminantes emergentes no Rio Lontra, localizado Salto do Lontra-PR, tendo como objetivo obter um parecer da contaminação das águas nessa região, propondo ações mitigadoras junto à comunidade local. Para o desenvolvimento da pesquisa foi realizada uma revisão bibliográfica sobre a contaminação de medicamentos em matrizes aquáticas e análise da água pela técnica proposta por CALDAS, <em>et. al.,</em> 2013, que compreende o preparo da amostra por SPE (Extração em fase sólida, do inglês <em>Solid Phase Extraction)</em> e determinação por cromatografia líquida acoplado à espectrometria de massas (LC-MS/MS, do inglês <em>Liquid chromatography-mass spectrometric in tandem</em>). Foram realizadas duas amostragens (agosto e outubro) em três pontos, sendo dois no Rio e um na água da torneira. Dos 18 fármacos e produtos de cuidados pessoais abordados nesse método, 9 (Benzofenona, cafeína, carbamazepina, diclofenaco sódico, mebendazol, metilparabeno, propilparabeno, triclocarban e triclosan) foram detectados na primeira amostragem e 7 (avobenzona, benzofenona, cafeína, carbamazepina, metilparabeno, propilparabeno e triclocarban) na segunda, confirmando a contaminação emergente nesse ambiente. Esses dados servirão de base às autoridades locais para futuras ações mitigadoras.</p> 2021-03-04T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/biodiversidade/article/view/11962 PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE Melissa officinalis L. POR ESTAQUIA 2021-03-04T14:45:42+00:00 Michel Anderson Masiero michel_masiero2@hotmail.com Carla Marins Santos Santana Viana santosclarice323@gmail.com Carolina Tesseroli Lupepsa carolinalupepsa@alunos.utfpr.edu.br Felipe Régis Silva regis022@gmail.com Gabriela Martins Cabral de Almeida gabriela-almeida1998@hotmail.com João Paulo Tombolato joaopaulotombolato@gmail.com Keliane Carolino kelli_cr82@hotmail.com Rodrigo Quirino da Silva rodrigo_qds@hotmail.com Daniela Macedo de Lima danielamlima@utfpr.edu.br <p><em>Melissa officinalis</em> L. é uma planta conhecida pelos seus princípios fitoterápicos, com usos na indústria farmacêutica e medicina convencional pelas populações em diversas partes do mundo. O trabalho teve como objetivo estudar a propagação vegetativa de <em>M.</em> <em>officinalis</em> L. por estaquia e seu potencial de enraizamento utilizando diferentess tipos de estacas. O estudo foi conduzido de março a junho de 2018 na UNEPE (Unidade de Ensino, Pesquisa e Extensão) Viveiro Florestal situado na Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Campus Dois Vizinhos (UTFPR-DV). A partir de ramos herbáceos oriundos de plantas matrizes de <em>M</em> <em>officinalis</em>, localizadas na UNEPE Horticultura (UTFPR-DV), preparou-se estacas de 8 cm de comprimento e cerca de 2 mm de diâmetro, com corte em bisel na base. Diante disso, foram preparados três tipos de estacas: sem folha (ESF), folha reduzida (EFR) e folha inteira (EFI). O delineamento experimental adotado foi inteiramente casualizado (DIC), com três tratamentos (tipos de estacas), quatro repetições e 10 estacas por parcela. Após 90 dias foram avaliadas: percentagem de estacas enraizadas (PEE), estacas mortas (PEM), estacas vivas (PEV), estacas com calos (PEC), número médio (NR) e comprimento médio das raízes (CMR), percentagem de estacas com brotações (PEB) e o número médio de brotações por estaca (NB). Concluiu-se que estacas com presença de folhas (reduzidas ou inteiras) são as mais indicadas para a propagação de melissa.</p> 2021-03-04T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/biodiversidade/article/view/11963 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O USO DE PLANTAS MEDICINAIS E MEDICAMENTOS INDUSTRIALIZADOS EM ROLIM DE MOURA DO GUAPORÉ-RO 2021-03-04T14:56:15+00:00 Bruno Elias Rocha Lopes brunoerl@gmail.com Matheus Gabriel Marcondes Barbieri Matheus.Barbieri@outlook.com Willians Andrade Campos williansandrade1@gmail.com <p>O presente estudo foi realizado em Rolim de Moura do Guaporé-RO, distrito de Alta Floresta D’Oeste, situado as margens do Rio Mequéns, possuindo vegetação nativa em seus derredores, sendo considerada uma das sete comunidades quilombolas remanescentes do estado. Objetivou-se realizar um levantamento etnobotânico e etnofarmacológico, para traçar um perfil comparativo entre o consumo de ambos. Metodologicamente, foi aplicado um questionário sobre o uso de plantas medicinais e alopáticos. Entrevistou-se 33 pessoas, sendo 60,60% do sexo feminino e 39,40% do masculino. A pesquisa revelou que uso de plantas medicinais, como tratamento para enfermidades, é comum para 81,81% dos entrevistados e o uso de alopáticos 75,75%, notou-se o uso de ambos os tratamentos, porém com uma predominância para o consumo de plantas medicinais na comunidade, observou-se um amplo conhecimento sobre plantas medicinais utilizando-as de muitas formas. Houve o uso concomitante de alopáticos e plantas medicinais por 63,63% dos entrevistados.</p> 2021-03-04T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/biodiversidade/article/view/11964 USO ASSOCIADO DE TÉCNICAS GENOTÍPICAS E FENOTÍPICAS COMO PROVA NO SISTEMA LEGAL PARA COMBATER O ABATE ILEGAL DE TATU-GALINHA (Dasypus novemcinctus) 2021-03-04T14:59:17+00:00 Mariana Medeiros Candeloro marianamcandeloro@outlook.com Paula Battistetti Medeiros Frohlich paulabattistetti@advocaciamb.com.br Lucas Pampana Basoli lucasbasoli@gmail.com Carla Battistetti Medeiros Basoli carlabame@hotmail.com Marcelo Teiji Kimura marcelokimura99@gmail.com Mauro Osvaldo Medeiros maurosvaldo@bol.com.br <p>O manejo e consumo do tatu-galinha, além de crime ambiental, podem transmitir diversas doenças para os seres humanos. O objetivo desse trabalho foi o de demonstrar como a prova científica do DNA pode ser relevante e necessária na investigação referente a comercialização clandestina de carne do tatu-galinha <em>D. novemcinctus</em>, contribuindo para evitar que pessoas sejam absolvidas de forma indevida, ou, então, condenadas injustamente. A pesquisa tentou encontrar uma solução para seguinte problemática: Em um comercio de carnes, além das costumeiras carnes in natura de bovinos, suínos, caprinos e aves domesticas, os vendedores informaram comercializar apenas carnes de capivara e de jacaré como produtos da fauna silvestre. Alegavam aos fiscais que as carnes de todos os animais silvestres ali comercializados eram oriundas de cativeiro legalizado no IBAMA e que a loja está fazendo seu papel em defesa da natureza. Contudo, os fiscais encontraram nos arredores da loja comercial, restos mortais de carapaças e suspeitaram de comercio ilegal de carne in natura de tatu-galinha. Para o esclarecimento da questão, os restos mortais da carapaça foram coletadas para a produção da prova material, juntamente com pequenas amostras das carnes in natura oferecidas para venda, para traçar o perfil genético, com o intuito de descobrir se alguma das amostras carnes in natura que estavam sendo comercializadas estariam associadas aos restos mortais da carapaça de tatu, para poderem elaborarem um termo de notificação e apoiar a queixa de comércio ilegal de animais silvestres, previstos na Lei de Crimes Ambientais n<u><sup>o</sup></u> 9605/98 e na posterior regulamentação, o decreto n<u><sup>o</sup></u> 3179/99. <strong>C</strong>oncluiu-se que uma das amostras de carne in natura que estavam sendo comercializados, pertenciam aos restos mortais de abate ilegal de tatu-galinha <em>D. novemcinctus</em>, configurando captura feita de forma ilegal no seu habitat natural, delito previsto no artigo 29, § 1º, inciso III, da lei n<u><sup>o</sup></u> 9605/98.</p> 2021-03-04T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/biodiversidade/article/view/11965 FOGO NO PANTANAL: UMA ANÁLISE CONCEITUAL SOBRE AS CONTRIBUIÇÕES BIBLIOGRÁFICAS 2021-03-04T15:04:07+00:00 Warley Lemes Gonçalves biowarley@gmail.com <p>A ecologia do fogo é uma disciplina que visa estudar e entender a dinâmica do fogo nos ambientes. Eventualidades com ocorrência do fogo no Pantanal podem promover consequências no bioma. O objetivo deste trabalho foi realizar uma análise bibliométrica acerca dos estudos realizados sobre o uso do fogo no Pantanal com referência as indexações na base de dados SCOPUS. Foram analisadas quatro características que abordam sistematicamente a pesquisa, sendo eles: (i) dados gerais e informativos dos documentos indexados; (ii) dados conceituais de ocorrência das palavras; (iii) dados conceituais de co-ocorrência das palavras por mapa temático; (iv) análise de ocorrência anual das palavras, com intuito de caracterização da importância do estudo. Com base nas abordagens adquiridas na pesquisa, a preocupação com o Pantanal é de crescente consideração a respeito da conservação ambiental, uma vez que o ambiente não possui estrutura para sobreviver em curto prazo com a atribuição das queimadas.</p> 2021-03-04T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021