ATIVIDADE ORIENTADORA DE ENSINO E AS SITUAÇÕES DE ENSINO DE ESTATÍSTICA DO “PRA QUÊ SERVE MATEMÁTICA?”: RELAÇÕES POSSÍVEIS

Gabriel José Cavassin Fabri, Maria Lucia Panossian

Resumo


Este artigo tem como objetivo reconhecer as potencialidades das situações de ensino presentes no livro paradidático “Pra Quê Serve Matemática?”, volume de Estatística, com base no referencial da Atividade Orientadora de Ensino. Para isso, apresentam-se os pressupostos teóricos e a organização metodológica da Atividade Orientadora de Ensino, assim como os trabalhos fundamentados por ela que tratam do conhecimento estatístico. A fim de concretizar esse objetivo, apresenta-se ao leitor a análise de três capítulos do livro que possuem o mesmo objeto de estudo. Conclui-se que o livro analisado possui potencialidades que permitem aos estudantes, por meio da atividade mediada, o desenvolvimento do pensamento teórico, além de apresentar como a Atividade Orientadora de Ensino pode auxiliar na organização da atividade de ensino de Estatística nesse caso.


Palavras-chave


Atividade Orientadora de Ensino; Estatística; Teoria da Atividade; Livro Paradidático.

Texto completo:

PDF

Referências


DIAS, M. da S. Formação da imagem conceitual da reta real: um estudo do desenvolvimento do conceito na perspectiva lógico-histórica. 2007. Tese (Doutorado) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

FIORENTINI, D., LORENZATO, S. Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas: Autores Associados, 2012.

FONSECA, V. da. Desenvolvimento cognitivo e Processo de Ensino-Aprendizagem: abordagem psicopedagógica à luz de Vygotsky. Petrópolis: Vozes, 2018.

KOPNIN, P. V. A dialética como lógica e teoria do conhecimento. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1978

LEONTIEV, A. N. Uma contribuição à teoria do desenvolvimento da psique infantil. In: VIGOTSKII, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 14 ed. São Paulo: Ícone, 2016. Cap 4. p. 59-102.

LOPES, C. A. E. O Conhecimento Profissional dos professores e suas relações com Estatística e Probabilidade na Educação Infantil. 2003. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas: SP, 2003.

MIRANDA, M. A.; ARAÚJO, E. S. Estatística e Matemática no Ensino Fundamental I pela Atividade Orientadora de Ensino. In: XII ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 2016, São Paulo. Anais. São Paulo: Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática da Universidade Cruzeiro do Sul.

MORAES, S. P. G. Avaliação do processo e ensino e aprendizagem em matemática: contribuições da teoria histórico-cultural. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo: SP, 2008.

MORETTI, V. D; MARTINS, E.; SOUZA, F. D. de (2017). Método Histórico-Dialético, Teoria Histórico-Cultural e educação: algumas apropriações em pesquisa sobre a formação de professores que ensinam matemática. In: MORETTI, V. D.; CEDRO, W. L. (Org.). Educação Matemática e a Teoria Histórico-CulturaI: um olhar sobre as pesquisas. Campinas: Mercado de Letras, 2017. Cap. 1. pp. 25-59.

MORETTI, V. D.; RADFORD, L. História do Conceito culturalmente significada e a Organização da Atividade de Ensino de Matemática. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 6., 2015, Pirenópolis. Anais. Pirenópolis: VI SIPEM, 2015. pp. 1 - 10.

MOURA, M. O. de; LANNER de MOURA, A. R. Escola: um espaço cultural. Matemática na educação infantil: conhecer, (re)criar - um modo de lidar com as dimensões do mundo. São Paulo: Diadema/SECEL, 1998.

MOURA, M. O. de. (1996). A Atividade de Ensino como Unidade Formadora. BOLEMA, Rio Claro, v. II, n. 12, pp. 29-43.

MOURA, M. O. de, LOPES, A. R. L. V., ARAÚJO, E. S., CEDRO, W. L. (Org.). Atividades para o ensino de Matemática nos anos iniciais da Educação Básica. São Paulo: Câmara Brasileira de Livros, 2019. Disponível em:

MOURA, M. O. de ARAUJO, E. S., SOUZA, F. D. de, PANOSSIAN, M. L., MORETTI, V. D. A Atividade Orientadora de Ensino como Unidade entre Ensino e Aprendizagem. In: MOURA, M. O. de (Org.). A Atividade Pedagógica na teoria Histórico Cultural. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 2016. Cap. 4. pp. 93-125.

PANOSSIAN, M. L. (2014). O movimento histórico e lógico dos conceitos algébricos como princípio para constituição do objeto de ensino da álgebra. 2014. 317 f. Tese (Doutorado)-Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

PANOSSIAN, M. L.; MORETTI, V. D.; SOUZA, F. D. de (2017). Relações entre movimento histórico e lógico de um conceito, desenvolvimento do pensamento teórico e conteúdo escolar. In: MOURA, M. O. de. Educação escolar e pesquisa na Teoria Histórico-Cultural. São Paulo: Edições Loyola, 2017. pp. 125-152.

RADFORD, L. Sobre psicologia epistemologia histórica e o ensino da Matemática: rumo a uma história sociocultural da Matemática. In: RADFORD, L. Cognição Matemática: História, Antropologia e Epistemologia. São Paulo: Livraria da Física, 2011. Cap. 3, pp. 73-97. Tradução: Iran Abreu Mendes.

ROSA, J. E., MORAES, S. P. G. de, CEDRO, W. L. As particularidades do Pensamento Empírico e do Pensamento Teórico na Organização do Ensino. In: MOURA, M. O.de (Org.). A Atividade Pedagógica na teoria Histórico Cultural. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 2016a. Cap. 3. pp. 77-92.

ROSA, J. E., MORAES, S. P. G. de, CEDRO, W. L. A Formação do Pensamento Teórico em uma Atividade de Ensino de Matemática. In: MOURA, M. O.de (Org.). A Atividade Pedagógica na teoria Histórico Cultural. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 2016b. Cap. 6. pp. 155-186.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: A pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.26571/REAMEC.a2019.v7.n2.p225-244.i8725

Apontamentos

  • Não há apontamentos.