UMA DEMANDA FORMATIVA POR CONHECIMENTOS QUÍMICOS: O CONFRONTO COM CURRÍCULO

Mariuce Campos de Moraes, Larissa Kely Dantas, Mariele Rondon Santos Gonçalves

Resumo


Neste texto nós refletimos sobre uma demanda de formação continuada para a docência em Química, apresentada por professores indígenas, destacando múltiplas dimensões do currículo da área das Ciências da Natureza. Partimos do questionamento a respeito das condições necessárias para dimensionar uma formação continuada comprometida com a produção curricular. Assim, visamos interpretar tais dimensões em relação às aspirações curriculares, relativas ao conhecimento químico. Os resultados indicam que as experiências formativas dos professores se apoiam em abordagens hegemônicas, mas também possuem características de uma política cultural. Os dados nos apontam desde adesões voluntárias, processos individuais e coletivos de estudo, até o reconhecimento de diferentes matrizes de conhecimento e distintas bases epistemológicas presentes na Educação Básica.


Palavras-chave


Currículo; Formação continuada; Educação em Química; Educação indígena

Texto completo:

PDF

Referências


BANIWÁ, Gersem. Educação escolar indígena no Brasil: avanços, limites e novas perspectivas. Anais da 36° reunião nacional da Anped. Goiânia GO, 2013. Disponível em: Acesso em: 31 mai., 2017.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A pergunta a várias mãos: a experiência da partilha através da pesquisa na educação. São Paulo: Cortez, 2003.

CANDAU, Vera Maria. Didática crítica intercultural: aproximações. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da tolerância. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

GIROUX, Henry. Os Professores Como Intelectuais. Porto Alegre: Artmed Editora, 1997.

GOODSON, Ivor Frederick. Currículo: teoria e história. 14 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação e Realidade, Porto Alegre: UFRGS, v. 22, n. 2, p. 15-46, 1997.

KUPODONEPÁ, Eneida; SOUZA, Hellen Cristina de; KUPODONEPÁ, Jairton. Aspectos da formação continuada para a docência em Química entre professores do povo indígena Umutina na região central do Brasil. Anais SemiEdu 2014: Educação e seus modos de ler e escrever em meio à vida, Cuiabá: Sustentável, v. 1, p. 1224-1228, 2014.

LOPES, Alice Casemiro. A interdisciplinaridade e o Ensino de Química: uma leitura a partir de política de currículo. In: SANTOS, Wildson Luiz Pereira dos; MALDANER, Otávio Aloisio. Ensino de Química em foco. IJui, Unijui, 2010. P. 77-100.

__________. Currículo e Epistemologia. Ijuí: Ed. Unijuí, 2007.

__________. Currículo, conhecimento e cultura, construindo tessituras plurais. In: CHASSOT, Attico Inácio., OLIVEIRA, José Renato (Orgs.). Ciência, ética e cultura na educação. São Leopoldo: ED. UNISINOS, 1998. p. 31-47.

__________. Interpretando e produzindo politicas curriculares para o ensino médio. In: FRIGOTTO, Gaudêncio Frigotto. CIAVATTA, Maria. Ensino médio: ciência cultura e trabalho, Brasília: MEC, SEMTEC, 2004. p. 191-206.

MACEDO, Elizabeth. Currículo como espaço-tempo de fronteira cultural. Revista Brasileira de Educação. v. 11 n. 32. p. 285 - 296. maio/ago. 2006. Disponível em: Acesso em: 08 ago., 2016.

MELIÀ, Bartolomeu. Educação Indígena na Escola. Caderno Cedes, ano XIX, n. 49, Dezembro/1999.

MONZILAR, Eliane Boroponepá; SOUZA, Hellen Cristina de;

MONZILAR, Osvaldo Corezomaé. Políticas públicas de formação continuada de professores em Mato Grosso: o papel dos estudos individuais no projeto sala de educador. Anais SemiEdu 2014: Educação e seus modos de ler e escrever em meio à vida, Cuiabá: Sustentável, v. 1, p. 3495-3505, 2014.

MOREIRA, Antônio Flavio Barbosa. Currículo, diferença cultural e diálogo. Educação e Sociedade, Campinas: CEDES, v. 23, n. 79, p. 15-38, 2003.

MOREIRA, Antônio Flavio Barbosa; MACEDO, Elizabeth. Currículo, identidade e diferença. In: MOREIRA, Antônio Flavio Barbosa; MACEDO, Elizabeth (Orgs.). Currículo, práticas pedagógicas e identidades. Porto: Porto, 2002. p. 11-33.

OLIVEIRA, Helena Dória Lucas de. O que é mesmo uma tessitura? In: CHASSOT, Attico Inácio; OLIVEIRA, José Renato (Orgs.). Ciência, Ética e Cultura na Educação. São Leopoldo - RS, 1998, p. 29-30.

OLIVEIRA, Lucia H. S.; BRITO, Licurgo P.; KALHIL, Josefina B. As pesquisas em Educação em Ciências na interface com a educação indígena: a abordagem qualitativa na evidência dos dados. Revista da Rede Amazônica de educação em Ciências e Matemática. Cuiabá-MT, v. 5, n. 2, jul/dez 2017, p. 282-303. Disponível em: Acesso em: 08 ago. 2018.

OLIVEIRA, Ozerina Victor; DESTRO, Denise de Souza. Política curricular como política cultural. Revista Brasileira de Educação. N. 28, p. 140 - 150; Jan/Fev/Mar/Abr 2005. Disponível em: Acesso em: 08 ago. 2016.

PRIGOGINE, Ilya; STENGERS, Isabelle. A Nova Aliança: Metamorfose da Ciência. Brasília: Editora da UNB, 1984.

PRIGOGINE, Ilya. As leis do caos. São Paulo: UNESP, 2002.

SILVA, Thomaz Tadeu da. Apresentação. In: GOODSON, Ivor Frederick. Currículo: teoria e história. 14 ed., Petrópolis, RJ: Vozes, 2013. p. 7-13.

SILVA, Thomaz Tadeu da. O Currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. 1 ed., 4. reimp. - Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.26571/REAMEC.a2019.v7.n2.p185-206.i8454

Apontamentos

  • Não há apontamentos.