A CONTRIBUIÇÃO DO SOFTWARE GRAPH NO ESTUDO DE FUNÇÕES POLINOMIAIS

Ricardo Santos Silva, Simone Silva da Fonseca, José da Silva Barros

Resumo


O objetivo deste artigo foi investigar a contribuição do Software Graph no estudo de Funções Polinomiais no Ensino Médio. Nossas análises pautaram-se, sobretudo, em discussões em torno do uso de softwares educacionais no ensino de matemática. Nesta pesquisa foi adotada a abordagem qualitativa e o tipo de pesquisa de campo, desenvolvida no Laboratório de Informática da Escola Estadual Nossa Senhora da Conceição, localizada no município de Lagoa da Canoa/AL, com sete alunos do 2º ano do Ensino Médio que estudaram o conteúdo Funções Polinomiais. Para a coleta dos dados foi utilizada a aplicação de três atividades com o uso do software Graph e um questionário composto por cinco questões discursivas. Como aportes teóricos nos apoiamos em Zuffi (2001) sobre a história do conteúdo funções; Walle (2009) que estuda o ensino aprendizagem da matemática através de softwares; e nas orientações para os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (BRASIL,2006) sobre a importância do ensino de funções. Os resultados apontam que os alunos participantes da pesquisa têm diferentes dificuldades em relação ao conteúdo Funções Polinomiais, sendo que a maior delas é a construção de gráficos. Além disso, pudemos verificar que a utilização do Software Graph contribuiu efetivamente na aprendizagem dos alunos com relação ao conteúdo de Funções Polinomiais através da interação e praticidade do programa por meio da mediação do professor pesquisador.


Palavras-chave


Função Polinomial. Software Graph. Recurso Tecnológico.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAHÃO, A. M. C.; PALIS, G. L. R. A Questão da Escala e as Concepções de Professores ao Analisarem Gráficos de funções f:R em R obtidos em calculadoras. Revista da SBEM, ano II, n. 16, p. 31-36, 2004.

BLANCO, M. M. G. Conocimiento Profesional del Profesor de Matmaticas. El Concepto de Función como Objeto de Ensenãnza-Aprendizaje. Grupo de Investigación en Educación Matemática. Universidade de Sevilla, 1998.

BRASIL. Orientações educacionais complementares para os Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Brasília: MEC, 2006.

CARAÇA, B. J. Conceitos Fundamentais da Matemática. 9ª edição. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora, 1989.

FERNANDES, N. L. R. Professores e computadores: Navegar é preciso. Porto Alegre: Mediação, 2004.

LÉVY, P. Tecnologias da inteligência. O futuro da inteligência na era da informática. 1993.

SILVEIRA, P. C. F. Software livre e Educação: vantagens e desvantagens das novas tecnologias. 2011. Disponível em http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/ueadsl/article/download/2871/2830. Acesso em: 20 de fev. 2018.

WALLE, J. A.V. Matemática no Ensino Fundamental: formação de professores e aplicação em sala de aula. Tradução: Paulo Henrique Colonese. - 6.ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

ZUFFI, E. M. et al. Alguns aspectos do desenvolvimento histórico do conceito de função. Educação Matemática em Revista, São Paulo, n. 9/10, abr. 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.26571/REAMEC.a2019.v7.n1.p228-244.i8026

Apontamentos

  • Não há apontamentos.