PERCEPÇÃO: ARTICULAÇÃO DAS PLANTAS MEDICINAIS AO ENSINO DE CIÊNCIAS

Gelciane da Silva Brandão, José Vicente de Souza Aguiar, Naiara Batista de Vasconcelos

Resumo


Este artigo foi produzido a partir da disciplina “Tópicos Filosófico e Didático do Ensino de Ciências” do mestrado em Educação em Ciências, da Universidade do Estado do Amazonas /UEA. O objetivo geral foi um exercício fenomenológico no mercado Municipal Adolpho Lisboa na cidade de Manaus/AM. O problema de pesquisa visou responder: á no mercado elemento que possa ser articulado ao Ensino de Ciências? A pesquisa qualitativa nos possibilitou a descrição interpretativa dos dados, tendo como base o método fenomenológico de (MERLEAU-PONTY, 1999). No referencial teórico destacamos como a legislação brasileira destaca o reconhecimento das plantas medicinais, e tessituras sobre Ensino de Ciências. Conclui-se que as plantas medicinais podem ser articuladas ao Ensino de Ciências a partir da temática da Educação Ambiental.

Palavras-chave


Percepção; Plantas medicinais; Ensino de Ciências

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. Conhecimento tradicional e biodiversidade: normas vigentes e propostas. Manaus: PPGAS-UFAM/NSCA-CESTU-UEA Edições, 2008.

AMARAL, A. C. F.; SIMÕES, E. V.; FERREIRA, J. L. P. Coletânea Científica de Plantas de Uso Medicinal. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2005.

ANGELY, J. Flora Analítica e Fitogeográfica do Estado de São Paulo. São Paulo: Ed. Phyton, 1969.

BACHELARD, Gaston. A formação do espírito científico: contribuições para uma psicanálise do conhecimento. [tradução Esteia dos Santos Abreu]. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BEZERRA, StiffannyAlexa Saraiva; MARI, Maikel Lamego Guimarães; AZEVEDO, Adriana Siqueira; MOREIRA, Rosiane Martins; CAMPOS, Suelen de Souza; OLIVEIRA, Bruna Rocha de.; SANTOS, Roberta Monique da Silva; MONTEIRO, Newton Coelho. Cadeia produtiva de duas espécies florestais de uso farmacológico: carapanaúba (aspidosperma spp.) E uxí-amarelo (Endopleurauchi (Huber) Cuatrec.) Manaus: UFAM, Departamento de Engenharia Florestal – Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, CPBO, 2015.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária/Ministério da Saúde. Diário Oficial da União. Resolução - RDC Nº 10, de 09 de março de 2010. Disponível em: Acesso em 10/out./2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 2013.

BRASIL. Lei 9.795/99. Política Nacional de Educação Ambiental. Disponível em: Acesso em 15 de julho 2018.

BRASIL. Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Decreto nº 5.813, de 22 de junho de 2006. Disponível em: Acesso em 19 de jul. de 2018.

BRASIL. Programa Nacional de Plantas Medicinais. Disponível em: Acesso em 20 de jul. de 2018.

CAPRA, F. Alfabetização ecológica: a educação das crianças para um mundo sustentável. Trad. Carmem Fischer. São Paulo: Cultrix, 2006.

CERBONE, D. R. Fenomenologia. (Tradução de Caesar Souza). 3. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

CORRÊA, M.P. Dicionário das Plantas úteis do Brasil e das Exóticas Cultivadas. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1984.

CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. [tradução Mágda Lopes; consultoria, supervisão e revisão técnica desta edição Dirceu da Silva]. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

CRUZ, G.L. Livro Verde das Plantas Medicinais e Industriais do Brasil. Belo Horizonte, G.L. Cruz, 1965.

DELIZOICOV, Demétrio; ANGOTTI, José A.; PERNAMBUCO, Marta Maria. Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2011.

FEYERABEND, P. K. Contra o Método. Lisboa: Relógio D’ Água, 1993.

GASPAR, L. Mercado Adolpho Lisboa,Manaus, AM. Pesquisa Online 2012. Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php?option=com_content&id=906%3Amercado-adolpho-lisboa-manaus-am. Acesso em: 20 de outubro de 2017.

GONZAGA, A. M. Reflexões sobre o Ensino de Ciências. Curitiba: CRV, 2013.

KUNH, T. S. A estrutura das revoluções científicas. [tradução: Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira]. 13, ed. São Paulo: Perspectiva, 2017.

LAMEIRA, O. A.; PINTO, J. E. B. P. Plantas medicinais: do cultivo, manipulação e uso à recomendação popular. Embrapa Amazônia Oriental. Belém, PA: 2008.

LEÃO,A. L. C.;SILVA, L. M. A.Fazendo educação ambiental. Recife: CPRH, 1995.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção(C. Moura, Trad.). São Paulo: Martins Fontes, 1994.

MORIN, E. Educar na era planetária: o pensamento complexo como método de aprendizagem no erro e na incerteza humana; trad. Sandra TrabuccoValenzuela. São Paulo: Cortez; Brasília, DR: UNESCO, 2003.

OLIVEIRA, A. X.; COELHO, M. F. B. Uso de Plantas Medicinais. Brasília: LK Editora, 2007.

OLIVEIRA, R. C. de. O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir, escrever. In: O trabalho do antropólogo. Paralelo 15, São Paulo, Unesp, 2000.

PEREIRA, M. M.; SOUZA JÚNIOR, S. N., ALCÂNTARA, A. F. C.; PILÓ-VELOSO, D.; ALVES, R. B.; MACHADO, P. O.; AZEVEDO, A. O.; MOREIRA, F. H.; CASTRO, M. S. A.; RASLAN, D. S. Constituintes químicos e estudo biológico de Aspidospermanitidum (Apocynaceae). Revista Brasileira de Plantas Medicinais. São Paulo: Botucatu, 2006.

RIBEIRO, J.E.L.S. et al. Guia de identificação das plantas vasculares de uma floresta de terra-firme na Amazônia Central. Manaus: Midas Printing, 1999.

SILVA, J. R. da. Políticas públicas de turismo: análise do desempenho das instâncias de governança turística e seus reflexos no fomento do turismo cultural no município de Manaus/AM. Manaus: UFAM, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.26571/REAMEC.a2019.v6.n3.p118-133.i7724

Apontamentos

  • Não há apontamentos.