IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELA AÇÃO DO HOMEM NO IGARAPÉ GRANDE EM BOA VISTA/RR

Saidea Regina de Souza Moreira, Alcinda de Souza Muniz Teixeira

Resumo


O presente artigo foi motivado pela disciplina Metodologia e Prática de Ensino em Ciências e Educação Ambiental, desenvolvida com os licenciandos do Curso de Pedagogia do Centro Universitário Estácio da Amazônia, que objetivou investigar os impactos ambientais causados pela ação do homem no Igarapé Grande, localizado na região urbana de Boa Vista capital de Roraima. A pesquisa é de natureza qualitativa e de cunho descritivo. Os dados foram coletados durante uma visita técnica realizada no mês de junho de 2018 pelos licenciandos, com o objetivo de realizar o diagnostico ambiental do local e assim identificar os pontos críticos da área. Os resultados mostram uma grande degradação e destruição nas margens e no leito do igarapé, agressões constantes causadas por várias ações humanas, principalmente pela instalação da lagoa de estabilização próximo da margem do igarapé e o crescimento de moradias inadequadas às margens do leito do igarapé, que prejudicam esse ambiente natural e apontam para a necessidade de políticas públicas que mudem essa realidade.


Palavras-chave


Investigação; Impactos ambientais; Degradação.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 2016. Disponível em: https://www2.senado.leg.br Acesso em;08/04/2018.

BRASIL. Novo código florestal lei Nº 12.651, DE 25 DE MAIO DE 2012. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/processos/2C87C7CF/SeminAPPConamaMaJoseIntrodCodFlor.pdf Acesso em: 10/09/2017.

BRASIL. Licenciamento Ambiental – Normas e procedimentos RESOLUÇÃO CONAMA nº 1 de 1986. Acesso em: 20/02/2018. DÍSPONIVEL EM: http://www.mma.gov.br .

GIL, Antônio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GOUVEIA. N, PRADO RR. Resíduos Sólidos Urbanos: Impactos Socioambientais e Perspectiva de Manejo Sustentável com Inclusão Social. Ciências & Saúde Coletiva, 17(6): 1503-1510.2012.

JACOBI. Pedro Roberto. Educar na Sociedade de Risco: O desafio de Construir alternativas. Pesquisa em Educação Ambiental, v2,n2. P.49 a 65, 2007. Disponível em:>. Acesso em: 08/04/2018.

MEDINA, Naná Mininni; SANTOS, Elizabeth da Conceição. Educação ambiental: uma metodologia participativa de formação. 3. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2018.

MESSIAS, C. G. Análise da degradação ambiental da micro-bacia do Córrego do Antônio em Brumado - BA: contribuições para o desenvolvimento de programas de educação ambiental. 140 f. 2010. Dissertação (Mestrado em Geografia), Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

NASCENTE, J. P. C; FERREIRA, O M. Impactos Sócio-Ambientais Provocados Pelas Ocupações Irregulares do Solo Urbano: Estudo de Caso do Loteamento Serra Azul. 2007. Disponível em: http://www.pucgoias.edu.br . Acesso em: 07/04/2018.

OLIVEIRA, Walter Engracia de. Resíduos sólidos e limpeza urbana. USP: FSP: PNUD: OMS: OPS: PIPMO: MEC. São Paulo, 1973.

REIGOTA, M. Os ecologistas. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 1999.

RODRIGUES, A. P. (coord.) Caracterização do meio físico, dos recursos minerais e hídricos do município de Aparecida de Goiânia. Goiânia: SGM – Governo de Goiás, 2005. 106 p. REVISTA MIRANTE, Anápolis (GO), v. 7, n. 2, dez. 2014. ISSN 19814089.

SÁNCHEZ, Luis Enrique. Avaliação de Impactos Ambiental: Conceitos e Métodos.2ª ed. São Paulo: Oficinas de Textos, 2013.

SAMPIERI, Roberto Hernándezi; COLLADO, Carlos Fernández; LUCIO, María del Pilar Baptista. Metodologia de pesquisa. Tradução: Daisy Vaz de Moraes; revisão técnica: Ana Gracinha Queluz Garcia, Dirceu da Silva, Marcos Júlio. – 5. ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

SORRENTINO, M.; TRAIBER, R.; MEDONÇA, P.; JUNIOR, L. A.F. Educação ambiental como política pública. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 285-299, maio/ago. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/ep/v31n2/a10v31n2.pdf acesso: 22/04/2018.

TUCCI, C. E. M. Água no meio urbano. In: TUCCI, C. E. M. Água doce. Porto Alegre: IPH –UFRGS, 1997. p. 03-35.




DOI: http://dx.doi.org/10.26571/REAMEC.a2019.v7.n1.p74-88.i7388

Apontamentos

  • Não há apontamentos.