PENSAMENTO CRÍTICO EM CIÊNCIAS: ESTUDO COMPARATIVO TEMPORAL DOS CONCEITOS NAS PRODUÇÕES

Kélli Renata Corrêa de Mattos, Aline Teresinha Walczak, Roque Ismael da Costa Güllich

Resumo


Na contemporaneidade, são exigidas dos alunos cada vez mais competências como a resolução de problemas, tomada de decisões, reflexão, autonomia e a capacidade de pensar e agir criticamente. A comunidade escolar é fundamental para o desenvolvimento dessas capacidades, pois é por meio de estratégias e metodologias de ensino que elas são estimuladas e construídas. Neste contexto, considera-se a promoção do Pensamento Crítico como o principal precursor destas e doutras capacidades, pois coloca em xeque o modo como são utilizadas diferentes estratégias de ensino, bem como são estabelecidos os programas de formação de professores em Ciências. Pensando nisso, realizou-se análise documental em 23 trabalhos acadêmicos disponíveis em repositórios brasileiros, analisando os autores que conceituam o pensamento crítico. Concluiu-se que o conceito de PC adotado como ideal para a sua promoção, predominou em 10 dos 23 trabalhos acadêmicos, sendo este de caráter racional, prático, ativo e reflexivo. Além de identificar que a maioria das produções brasileiras adotam os conceitos portugueses e fazem pouca menção a referências brasileiras da área. Contudo, ressalta-se que essas capacidades extrapolam o ensino e migram de maneira positiva para o contexto social do aluno, influenciando suas relações profissionais, afetivas e sociais como um todo.


Palavras-chave


Pensamento Crítico, Formação de professores, Ensino de Ciências.

Texto completo:

PDF

Referências


BOSZKO, C.; GÜLLICH, R.I.C. O desenvolvimento do pensamento crítico em ciências: um ensaio comparativo entre estratégias de ensino em contexto brasileiro. Revista de Ensino de Biologia – REnBio, SBEnBio, Niterói-RJ. v.9, n.9, p. 2991-3003, 2016.

BOSZKO, C. Estratégias de ensino de ciências e a promoção do pensamento crítico em contexto brasileiro. 2016. 27p. Trabalho de conclusão de curso, Universidade Federal da Fronteira Sul, Cerro Largo, 2016.

BRASIL. MEC. Orientações Curriculares para Ensino Médio. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília, 2000. Disponível em: Acesso em:

de mai de 2017.

COSTA, A. S. G. Pensamento Crítico: Articulação entre Educação Não-formal e Formal em Ciências. 267 f. Dissertação (Mestre em Educação em Ciências) – Departamento de Didactica e Tecnologia Educativa, Universidade de Aveiro, Portugal, 2007.

ENNIS, R. H. Critical thinking and the curriculum. National Forum, v.65, n. 1 p. 24-27, 1985.

GONÇALVES, E; VIEIRA, R. M. Aprender Ciências e Desenvolver o Pensamento Crítico: percursos educativos no 1º ciclo do Ensino Básico. Indagatio Didactica, vol. 7(1), p. 7-24, julho 2015.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Epu, 2001.

GÜLLICH, R. I. C. Investigação-formação-ação em Ciências: um caminho para reconstruir a relação entre livro didático, o professor e o ensino. Curitiba: Prismas, 2013.

TAVARES, B. F. C. A escultura como promotora do pensamento crítico. 104 f. Dissertação (Mestrado em Mestre em Ensino das Artes Visuais) – Departamento de Educação, Universidade de Aveiro, Portugal, 2012.

TENREIRO-VIEIRA. O pensamento Crítico na Educação Científica. Lisboa: Instituto Piaget, 2000.

TENREIRO-VIEIRA, C.; VIEIRA, R. M.C. Estratégias de Ensino/Aprendizagem: o questionamento promotor do pensamento crítico. Lisboa:Instituto Piaget, 2001.

TENREIRO-VIEIRA, C.; VIEIRA, R. M. Estratégias de ensino e aprendizagem e a promoção de capacidades de pensamento crítico. Anais. IX Congreso Internacional sobre Investigación en Didáctica de Las Ciencias. Universidade de Girona: Girona, ES, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.26571/REAMEC.a2018.v6.n2.p273-290.i7043

Apontamentos

  • Não há apontamentos.