A LUDICIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS UTILIZANDO O TEMA DOS QUELÔNIOS EM UMA ESCOLA RIBEIRINHA, PARINTINS-AM, BRASIL

Ana Paula Melo Fonseca, Lindalva Sâmela Jacaúna de Oliveira, Augusto Fachín Terán, Gelcimara de Lima Nobre

Resumo


Este estudo traz contribuições acerca de práticas lúdicas usadas no ensino de ciências e a sensibilização ambiental, no qual potencializam o interesse, participação, imaginação e criatividade das crianças. O objetivo desta pesquisa foi compreender como atividades lúdicas contribuem para o ensino de ciência e a sensibilização em estudantes do Ensino Fundamental usando o tema dos quelônios amazônicos. O trabalho foi realizado em uma escola ribeirinha situada no município de Parintins-AM. A pesquisa foi qualitativa, com abordagem fenomenológica. Os sujeitos foram 14 estudantes do 3º ano do Ensino Fundamental. Para a coleta de dados utilizou-se as técnicas de observação participante e teatro de máscaras. Foram descritas e interpretadas as falas e expressões dos estudantes. Como resultados, podemos destacar que o teatro de máscaras permitiu às crianças um olhar diferenciado do mundo a sua volta e o compartilhamento de saberes sobre a preservação do quelônio “tracajá” (Podocnemis unifilis). Constatamos que a ludicidade é importante para assimilação de conceitos científicos e a sensibilização dos estudantes sobre os problemas ambientais da comunidade.


Palavras-chave


Ensino de Ciências, Atividade Lúdica, Quelônios Amazônicos.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, R. O. M.; NEVES, C. O lúdico contribuindo na formação de professores da Educação Infantil e dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Revista ARETÉ – Revista Amazônica de Ensino de Ciências, Manaus, v.2, n.3, p. 84-94, 2009.

BRANDÃO, C. R. Pesquisa Participante. 8 ed. São Paulo: Brasiliense, 1990.

BRASIL. Secretaria de educação fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BORGES, H. S.; ROCHA, S. C. B. A. (Orgs). A transversalidade como prática pedagógica: reflexões para auxiliar na formação de professor (a) e educador (a) do campo. Gráfica Manaus Edições, Manaus, 2012.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. Ijuí, RS: Unijuí, 2000. (Coleção Educação em Química).

CARMO, C. P.; VEIGA, E. C. F.; CINTRAS, R. C. G. G.; LIMA, S. S. C. A ludicidade na Educação Infantil: Aprendizagem e desenvolvimento. IV seminário internacional de representações sociais subjetividade e educação. 28 a 31 de Agosto de 2017. Disponível em: . Acesso: 14 mai. 2018.

FILHO, O. R; ZANOTELLO, M. A ludicidade na construção do conhecimento em aulas de ciências nas series iniciais do ensino da educação básica. Revista: Experiências em Ensino de Ciências, v.13, n.2, 2018.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2010.

JESUS, M. L. M; LEITE, R. C. M. Nem só de escola vive o Ensino de Ciências: formação científica cidadã no contexto dos museus de ciência. V Enebio e II Enebio Regional I. Revista da SBEnbio, n.7, outubro de 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2018.

MARINHO, H. R. B.; MATOS JUNIOR, M. A.; SALLES FILHO, N. A.; FINCK, S. C. M. Pedagogia do movimento: universo lúdico e psicomotricidade. 2 ed. Curitiba: Ipbex, 2007.

PIVELLI, S. R. P. Análise do potencial pedagógico de Espaços Não Formais de ensino para o desenvolvimento da temática da biodiversidade e sua conservação. 2006. [s.f.]. (Dissertação de Mestrado) Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2006.

SANDÍN ESTEBAN, M. P. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Tradução Miguel Cabrera, Porto alegre: AMGH, 2010.

SILVA, D. X. Educação científica a partir de atividade de conservação de quelônios Amazônicos em Comunidade ribeirinhas do Baixo Amazonas. (Dissertação de Mestrado). Universidade do Estado do Amazonas. Manaus: UEA, 2012.

SOARES, M. C.; LANES, K. G.; LANES, D. V. C.; LARA, S.; COPETTI, J.; FOLMER, V.; PUNTEL, R. L. O ensino de ciências por meio da ludicidade: alternativas pedagógicas para uma prática interdisciplinar. Ciências & Ideias, v.5, n.1. Jan/Abr, 2014. Disponível em: . Acesso em: 14 mai. 2018.

ROCHA, S. C. B.; FACHÍN-TERÁN, A. O uso de Espaços Não Formais como estratégia para o ensino de ciências. Manaus: UEA/Escola Normal Superior/PPGEECA, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.26571/REAMEC.a2018.v6.n1.p190-200.i6498

Apontamentos

  • Não há apontamentos.