PERCEPÇÃO AMBIENTAL E MAPAS MENTAIS: UM DIAGNÓSTICO DOS ALUNOS ACERCA DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL

Aldeci dos Santos, Carlos Alberto de Vasconcelos

Resumo


O objetivo do presente trabalho é analisar a importância dos mapas mentais na percepção ambiental de alunos do 6º ano do Ensino de Ciências, quanto ao ecossistema manguezal. Para tanto, foi solicitado aos alunos que representassem o manguezal através de desenhos (mapas mentais), no intuito de avaliar o nível de percepção ambiental e de que maneira o ecossistema manguezal é visto por esses discentes. A análise foi feita através de categorização temática, permitindo a sistematização e interpretação das informações contidas nas redações sobre os temas mais citados pelos alunos. Nos mapas mentais e redações constatou-se que a paisagem afeta o indivíduo e vice-versa, através de diversidades de interpretações positivas e negativas, com algumas visões distorcidas e depreciativas quanto ao ecossistema manguezal. Os resultados revelam a necessidade de se fazer uma abordagem mais integradora e sistêmica dos assuntos discutidos em sala de aula, revelando a urgência de rever os métodos e práticas empregados durante o processo de ensino.

Palavras-chave


Percepção ambiental; Mapas mentais; Manguezal.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria do Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: meio ambiente e saúde. Brasília: MEC/SEF, 1997. 128 p.

DEL RIO, V. Cidade da mente, cidade real: percepção e revitalização da área portuária do RJ. In: DEL RIO, V.; OLIVEIRA, L. Percepção ambiental: a experiência brasileira. São Paulo: Editora da UFSCar, 1996. p. 3-22.

DIEGUES, A. C. O mito moderno da natureza intocada. 6. ed. ampliada. São Paulo: Editora Hucitec Nupaub, 2008. 199 p.

FERREIRA, S. O ensino das artes: construindo caminhos. Campinas: Papirus, 2001. 224 p.

GRUBITS, S. A casa: cultura e sociedade na expressão do desenho infantil. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 8, p. 97-105, 2003.

HANAUER, F. Riscos e rabiscos: o desenho na educação infantil. Revista de Educação do Ideau, Rio Grande do Sul, v. 6, n. 13, p. 1-13, jan/jul. 2011.

KOZEL, S. Das imagens às linguagens do geográfico: Curitiba a “capital ecológica”. 2001. 310 f. Tese (Doutorado em Geografia)-Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

KOZEL, S.; GALVÃO, W. Representação e ensino de geografia: contribuições teórico-metodológicas. Ateliê Geográfico, v. 2, n. 3, p. 33-48, 2008.

MARANDOLA, J. A. M. S.; OLIVEIRA, L. Desenhos e mapas: representações e imagens do urbano. In: ENCONTRO DE GEÓGRAFOS DA AMÉRICA LATINA XI EGAL, 11., 2007, Bogotá. Anais... Bogotá: Universidade Nacional de Colômbia, mar. 2007. Disponível em: . Acesso em: 8 fev. 2015.

OLIVEIRA, N. A. S. A educação ambiental e a percepção fenomenológica, através de mapas mentais. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Rio Grande, v. 16, p. 32-46, jan./jun. 2006.

SANTOS, C. O uso de desenhos no ensino fundamental: imagens e conceitos. In: PONTUSCHKA, N. N.; OLIVEIRA, A. U. (Org.). Geografia em perspectiva: ensino e pesquisa. São Paulo: Contexto, 2002. p. 195-206.

VYGOTSKY, L. S. Educacional psycology. St. Lucie Flórida: CRC Press, 1997. 416 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.26571/2318-6674.a2017.v5.n2.p344-359.i5765

Apontamentos

  • Não há apontamentos.