O PROCESSO DE APRESENTAÇÃO DAS ORIENTAÇÕES CURRICULARES AOS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DE MATO GROSSO NA CIDADE DE SINOP (MT).

Magno Rodrigo da Silva, Edson Pereira Barbosa

Resumo


Este artigo tem como objetivo de discutir como o currículo prescrito pelas Orientações Curriculares para o Estado de Mato Grosso foi apresentado aos professores de Matemática da rede estadual da Educação Básica da cidade de Sinop (MT). Para isso, apresenta-se uma breve revisão sobre currículo e formação continuada. Posteriormente, adotando uma perspectiva de pesquisa qualitativa, baseada em documentos e entrevistas do tipo Grupo Focal, com três grupos de professores – formadores, gestores e professores –, evidencia-se que a ausência de participação dos professores nas discussões das orientações curriculares, bem como as limitações dos formadores e da dinâmica formativa adotada, acentuam o distanciamento entre teoria e prática na formação continuada, contribuindo para que os professores se vejam como receptores da proposta curricular e solitários para enfrentar as dificuldades de implementação das prescrições do referido currículo em sala de aula.

Palavras-chave


Currículo; Formação Continuada; Formação na Escola

Texto completo:

PDF

Referências


BEAUCHAMP, G. A. Currículum Theory. 4ª edição. Itasca: F. E. Peacock Publeshers Inc, 1981.

CANDAU, V.M.C. Formação continuada de professores: tendências atuais. In: REALI, A.M.M.R; MIZUKAMI, M.G.N. (orgs). Formação de professores: tendências atuais. São Carlos: EdUFSCar, 1996.

CORAZZA, Sandra Mara. Currículos alternativos/oficiais: o (s) risco (s) do hibridismo. Revista Brasileira de Educação, n. 17, 2001.

CUNHA, R. B. PRADO, G. V. T. Sobre importâncias: a coordenação e a co-formação na escola. In: O coordenador pedagógico e os desafios da educação. São Paulo: Loyola, 2008.

DIAS, H. N; ANDRÉ, M. A incorporação dos saberes docentes na formação de professores. Revista Internacional de Formação de Professores (RIFP), Itapetininga, v. 1, n.3, p. 194-206, 2016.

FORMADORES, Grupo Focal. Entrevista I. [mai. 2015]. Entrevistador: Autor [Omitido para avaliação às cegas]. Sinop (MT), 2015. 1 arquivo .mts (79 min.).

GATTI, B. A. Formação de Professores: condições e problemas atuais. Revista Internacional de Formação de Professores (RIFP), Itapetininga, v. 1, n.2, p. 161-171, 2016.

GARNICA, A. V. M. História oral e educação matemática. In: BORBA, M. C.; ARAUJO, J. L. (Org.). Pesquisa qualitativa em educação matemática. 2ª Edição. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

GESTORES, Grupo Focal. Entrevista II. [mai. 2015]. Entrevistador: Autor [Omitido para avaliação às cegas]. Sinop (MT), 2015. 1 arquivo .mts (59 min.).

GONDIM, S. M. G. Grupos Focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 12, n. 24, p. 149-161, 2003.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2000.

IMBERNÓN, F. Formação permanente do professorado: novas tendências. São Paulo: Cortez, 2009.

LEITE, C. O currículo e o exercício profissional docente face aos desafios sociais desta transição de século. In: FERRAÇO, C.E. Cotidiano escolar, formação de professores(as) e currículo. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2008.

LIBÂNEO, José Carlos. Formação de Professores e Didática para Desenvolvimento Humano. Educação & Realidade, Porto Alegre, Ahead of print , 2015.

MATO GROSSO. Lei nº 8.405/2005. Dispõe sobre a estrutura administrativa e pedagógica dos Centro de Formação e Atualização dos Profissionais da Educação Básica do Estado de Mato Grosso e dá outras providências. Diário Oficial do Estado de Mato Grosso. 27 dez. 2005.

MATO GROSSO. Orientações curriculares: concepções para a Educação Básica. SEDUC/MT. Cuiabá: Defanti, 2010a.

MATO GROSSO. Orientações curriculares: área de Ciências da Natureza e Matemática: Educação Básica. SEDUC/MT. Cuiabá: Defanti, 2010b.

MATO GROSSO. CONEC – Base da Conferência Estadual Ciclos de Formação Humana. SEDUC/MT. Cuiabá, 2012.

MATO GROSSO. Sala de Educador: orientativo 2015. SUFP/SEDUC/MT. Cuiabá, 2015.

MIZUKAMI, M. G. N.; et al. Escola e aprendizagem da docência: processos de investigação e formação. São Carlos: EdUFSCar, 2002.

PROFESSORES, Grupo Focal. Entrevistas III e IV. [mai. 2015]. Entrevistador: Autor [Omitido para avaliação às cegas]. Sinop (MT), 2015. 2 arquivos .mp3 (31 min. e 27 min.).

RESSEL, L. B. et al. O uso do Grupo Focal em pesquisa qualitativa. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 17, n. 4, p. 779-786, out. 2008.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Tradução de: Ernani F. da Fonseca Rosa. 3ª edição. Porto Alegre: Artmed, 2000. 352 p.

SILVA, M. A da. Práticas sociais híbridas: contribuições para os estudos curriculares em Educação Matemática. Horizontes, v. 30, n. 2, 2012.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução as teorias do currículo. 2 ed. Belo Horizonte: Autentica, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.26571/2318-6674.a2017.v5.n2.p215-234.i5440

Apontamentos

  • Não há apontamentos.