O lúdico na cultura contemporânea

Luiz Octávio de Lima CAMARGO

Resumo


Negada ao longo dos dois séculos iniciais da Revolução Industrial, a ludicidade ressurge no pós-Segunda Guerra. Mais do que uma mudança, busca-se mostrar a afirmação de um novo paradigma civilizatório. Esta é a tese central desta reflexão. Partindo de uma referência a esse novo paradigma, tenta-se mostrar a presença do lúdico nas diferentes instâncias da vida cultural contemporânea. Finaliza com duas reflexões complementares sobre o desafio da ludicidade nos tempos atuais e os obstáculos à sua realização ao longo da vida cotidiana.


Palavras-chave


Ludicidade; Paradigma; Lazer; Educação

Texto completo:

PDF

Referências


BACHELARD, Gaston. A Dialética da Duração. São Paulo: Ática, 1988.

BENJAMIN, Walter. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. São Paulo: Summus, 1984.

BROUGÈRE, Gilles. Jeu et Éducation. Paris: Harmattan, 1995.

CAILLOIS, Roger. Os jogos e os homens. Lisboa: Cotovia, 1990.

CAMARGO, L. O. L. Quando o lazer se transforma em tédio. Rev. Cultura Vozes, n. 87, p. 3-13, 1993.

CHATEAU, Jean. L`enfant et le jeu. Paris: Scarabée, 1976.

COX, Harvey. A festa dos foliões. Petrópolis: Vozes, 1976.

CSIKSZENTMIHALYI, Mihaly. A psicologia da felicidade. São Paulo: Saraiva, 1992.

DE MASI, Domenico. O Ócio Criativo. Rio de Janeiro: Sextante, 2000.

DELEUZE, Gilles. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2005.

DUMAZEDIER, Joffre. Lazer e Cultura Popular. São Paulo: Perspectiva, 1974.

(Tradução de: Vers une civilisation du loisir?. Paris: Seuil, 1961.)

DUMAZEDIER, Joffre. Sociologia empírica do lazer. São Paulo: Perspectiva, 1978.

DUMAZEDIER, Joffre. A revolução cultural do tempo livre. São Paulo: Studio Nobel, 1995.

DURHAM, Eunice. Chimpanzés também amam: a linguagem das emoções na ordem dos primatas. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 46, n. 1, 2003. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2020.

FOUCAULT, Michel. O cuidado de si (História da Sexualidade III). Rio de Janeiro: Graal, 1985.

FREYRE, Gilberto. Ordem e progresso. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1961. 2 volumes.

GOMES, Christianne L. Lazer urbano, contemporaneidade e educação das sensibilidades. Revista Itinerarium, Rio de Janeiro, v. 1, p. 1-18, 2008. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2020.

GOMES, Cleomar F. As brincadeiras e os jogos na educação infantil. A Educação Física na rede municipal de Cuiabá: uma proposta de educação coletiva. Revista EdUFMT, v. 1, p. 13-23, 2016.

GUATTARI, Félix. As três ecologias. São Paulo: Campinas, Papirus, 1991.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 1974.

ISAYAMA, Helder. Formação e atuação profissional em políticas públicas de esporte e lazer. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2018.

KISHIMOTO, Tizuko. Jogo infantis: o jogo, a criança e a educação. Petrópolis: Vozes, 1995.

LAFARGUE, Paul. O direito à preguiça. São Paulo: Hucitec, 2000.

LAUAND, L. Jean. Deus Ludens: O Lúdico no Pensamento de Tomás de Aquino e na Pedagogia Medieval. São Paulo, 8 dez. 2000. Texto da prova pública de erudição para o concurso de professor titular de História da Educação, no Departamento de Filosofia e Ciências da Educação, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2020.

LORENZ, Konrad. Os oito pecados mortais do homem civilizado. São Paulo: Brasiliense, 1991.

LOWEN, Alexander. O prazer: uma abordagem criativa da vida. São Paulo: Summus, 1984.

LUCKESI, C. C. Educação e Ludicidade. Salvador: Programa de Pós-Graduação em Educação-UFBA, 2000.

MAFFESOLI, Michel. À sombra de Dioniso. Porto Alegre: Zouk, 2005.

MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

MANSON, Michel. História do brinquedo e dos jogos: brincar através dos tempos. Amadora: Editorial Teorema, 2002.

MARCUSE, Herbert. Eros e civilização. Rio de Janeiro: LTC, 1999.

MOLTMANN, Jurgen. Deus na criação: a doutrina ecológica da criação. Petrópolis: Vozes, 1997.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falava Zaratustra. Petrópolis: Vozes, 2017.

PACHECO, Reinaldo; SANTOS, Rosana. Lazeres: para fazer melhor é preciso compreender. São Paulo: Senac, 2019.

PIMENTEL, Giuliano. Aspectos socioculturais na percepção da qualidade de vida entre praticantes de esportes de aventura. Revista de Salud Pública, Bogotá, v. 10, n. 4, p. 561-570, set. 2008. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2020.

PRONOVOST, Gilles. Lazer, Desenvolvimento Social e Desenvolvimento Cultural. In: ANDRADE de MELO, Victor; TAVARES, Carla (Ed.).

O Exercício Reflexivo do Movimento: Educação Física, Lazer e Inclusão Social. Rio de Janeiro: Shape, 2006. p. 50-75.

PRONOVOST, Gilles. Que faisons-nous de notre temps?: Vingt-quatre heures dans la vie des Québécois: Comparaisons internationales. Québec: UQTR, 2015.

RAPCHAN, Eliane; NEVES, Walter. Chimpanzés não amam! Em defesa do significado. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 48, n. 2, p. 649-698, 2005. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2020.

RIESMAN, David. A multidão solitária. São Paulo: Perspectiva, 1995.

STOPPA, Edmur. O papel do adulto no brincar da criança. Revista das Faculdades Claretianas, Batatais, n. 7, p. 179-186, 1998.

UVINHA, Ricardo. Lazer no Brasil: grupos de pesquisa e associações temáticas. São Paulo: SESC, 2018.

VINCENT, Jean-Didier. Biologia das paixões. Lisboa: Europa-Americana, 2000.




DOI: https://doi.org/10.29286/rep.v29ijan/dez.10019

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


     
 
 

Fontes de Indexação:

        
 
 
 
R. Educ. Públ. Cuiabá:UFMT. Av. Fernando Corrêa da Costa, 2367, Boa Esperança. Cuiabá-MT, Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Educação, sala 02 térreo.. CEP: 78.060-900 – Telefone: (65) 3615-8466. Homepage: http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica; E-Mail: rep@ufmt.br
 
Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial 3.0 Brasil License
 
 
 

 

contador de visitantes Acessos

Design e editoração eletônica