DOS JOGOS TRADICIONAIS ÀS TÉCNICAS CORPORAIS: UM ESTUDO A PARTIR DAS RELAÇÕES ENTRE JOGO E CULTURA LÚDICA

Alcides José Scaglia, Débora Jaqueline Farias Fabiani, Luís Bruno de Godoy

Resumo


A contemporaneidade influencia o uso dos corpos, afetando as relações sociais, a dinâmica cultural e o jogo. Nesse sentido, é necessário problematizar as inter-relações entre sociedade contemporânea, cultura lúdica e suas técnicas corporais, desenvolvidas pelos jogos tradicionais. Assim, esse estudo exploratório objetiva compreender o papel do jogo na dinâmica cultural, enfatizando os processos criativos e o impacto dos períodos históricos e seus contextos socioculturais nas técnicas corporais, evidenciado a partir dos jogos tradicionais. Constatou-se as estreitas relações entre sociedade, técnicas corporais, jogo e brinquedo, em meio aos processos criativos de co-construção e ressignificação da cultura lúdica pelas crianças. Portanto, é evidente que as mudanças advindas da contemporaneidade configuram-se impactantes, pois ao alterar tempos e espaços, transformam os jogos tradicionais, provocando uma complexa reação em cadeia ao longo dos anos e significativas alterações na expressão e uso do corpo no jogo e, consequentemente, nas técnicas corporais.


Palavras-chave


Cultura Lúdica; Jogo Tradicional; Sociedade Contemporânea; Técnicas Corporais

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W. O ensaio como forma. In: ADORNO, Theodor W.; COHN, Gabriel. Theodor W. Adorno: sociologia. 2. ed. São Paulo: Ática, 1994.

ALBUQUERQUE, Leila Marrach Basto de. As invenções do corpo: modernidade e contramodernidade. Motriz, v. 7, n. 1, p. 33-39, 2001.

ALVES, Rubem. Cenas da vida. Campinas, SP: Papirus, 2013.

ARAÚJO, Alceu Maynard. Folclore Nacional I: festas, balaiados, mitos & lendas. São Paulo: Martins Fontes, 2004a.

______. Folclore Nacional II: danças, recreação e música. São Paulo: Martins Fontes, 2004b.

ARIÉS, Philippe. História social da família e da criança. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: LTC, 1981.

BARTHES, Roland. Mitologias. 10. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de janeiro: Zahar, 1998.

BENJAMIN, Walter. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2009.

BROUGÈRE, Gilles. Brinquedo e cultura. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

______. A criança e a cultura lúdica. In: KISHIMOTO, Tizuko Morchida (Org.). O brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira, 1998.

______. Lazer e aprendizagem. In: BROUGÈRE, Gilles. ULMANN, Anne-Lise. (Orgs.). Aprender pela vida cotidiana. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

CAILLOIS, Roger. Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

CÂMARA CASCUDO, Luís. Antologia do folclore brasileiro. São Paulo: Global, 2001.

______. História dos nossos gestos. São Paulo: Global, 2003.

CARLOS, Ana Fani Alessandri. O espaço urbano: novos escritos sobre a cidade. São Paulo: FFLCH, 2007.

DAOLIO, Jocimar. Da cultura do corpo. Campinas, SP: Papirus, 1995.

DENZIN, Norman K. Play, games and interaction: the contexts of childhood socialization. The sociological quarterly, v. 16, n. 4, p. 458-478, 1975.

ERTHAL, Ana Amélia. O telefone celular como produto de novas sensorialidades e técnicas corporais. Contemporânea, v. 1, n. 8, 2007.

FABIANI, Débora Jaqueline Farias; SCAGLIA, Alcides José. O inventário da cultura lúdica: os espaços, os materiais e os jogos desenvolvidos pelas crianças no horário livre, Lúdicamente, v. 7, n. 14, p. 1-22, jun./ out., 2018.

FANTIN, Monica. As crianças e o repertório lúdico contemporâneo: entre as brincadeiras tradicionais e os jogos eletrônicos. Revista espaço pedagógico, v. 13, n. 2, p. 9-24, jul./ dez., 2006.

FERNANDES, Florestan. O folclore em questão. São Paulo, SP: Martins Fontes, 2003.

______. Folclore e mudança social na cidade de São Paulo. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

FERNANDES, Benecta Patrícia Fernandes e colaboradores. Entre o tradicional e o eletrônico: significados do brincar para crianças de uma escola pública de Piracicaba-SP. Revista brasileira de estudos do lazer, v. 3, n. 2, p. 74-96, mai./ ago., 2016.

FRIEDMANN, Adriana. Jogos tradicionais na cidade de São Paulo: recuperação e análise de sua função educacional. 1990. 189f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1990.

______. Brincar: crescer e aprender: o resgate do jogo infantil. São Paulo: Moderna, 1996.

FREIRE, João. Batista; SCAGLIA, Alcides José. Educação como prática corporal. São Paulo: Scipione, 2003.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC Editora, 2013.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. São Paulo: Unesp, 1991.

______. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

______. Conceitos essenciais da sociologia. São Paulo: Unesp, 2017

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

______. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GODOY, Luís Bruno. Tensionando o sentido do agir: o clown e seu potencial criativo. 2019. Xxf. Dissertação (Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas). Universidade Estadual de Campinas. Limeira, SP, 2019.

HARA, Tony. Saber noturno: Uma antologia de vidas errantes. Campinas, SP: Unicamp, 2017.

HERTEL, Ilona. Silêncio! Crianças brincando. In: PARK, Margareth Brandini; FERNANDES, Renata Sieiro. Programa curumim: memórias, cotidiano e representações. São Paulo: SESC, 2015.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens. 9. ed. rev. e atual. São Paulo: Perspectiva, 2019.

INGOLD, Tim. Estar vivo: ensaio sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

KIRK, David. Towards a socio-pedagogy of sports coaching. In: LYLE, John; CUSHION, Chris (Eds.). Sport coaching: professionalisation and practice. Edinburgh, England: Elsevier, p. 165-176, 2010.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Jogos tradicionais infantis: o jogo, a criança e a educação. 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

______. O jogo e a educação infantil. 7. reimpr. São Paulo: Cengage Learning, 2011.

KOFES, Maria Suely. E sobre o corpo, não é o próprio que fala? Ou, o discurso desse corpo sobre o qual se fala. In: BRUNHS Heloisa Turini. Conversando sobre o corpo. 5. ed. Campinas, SP: Papirus, 1994.

LARROSA, Jorge. Bondía. Tremores: escritos sobre a experiência. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2017.

LAVEGA BURGUÉS, Pere e colaboradores. Los juegos y deportes tradicionales en Europa: Juega con tu corazón, comparte tu cultura. In: LAVEGA BURGUÉS, Pere (Org.). Juegos tradicionales y sociedad en Europa. Barcelona, Espanha: Associação Européia de Jogos e Esportes Tradicionais, 2006.

LAVEGA BURGUÉS, Pere e colaboradores. Os jogos tradicionais no mundo: associações e Possibilidades. Licere, v. 14, n. 2, jun., 2011.

LIPOVETSKY, Gilles. A era do vazio: ensaios sobre o individualismo contemporâneo. São Paulo: Manole, 2005.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Festa no pedaço: cultura popular e lazer na cidade. São Paulo: UNESP, 2003.

MARIN, Elizara Carolina. Jogo tradicional: patrimônio material e imaterial. Congresso Argentino e Latinoamericano de Educación Física y Ciencias, 12. 7. Anais..., Ensenada, Buenos Aires, Argentina. Disponível em: . Acesso em 02 jul. 2020.

MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

NOGUEIRA, Maria Ephigênia de Andrade Cáceres. O lúdico na época de Anchieta. In: KISHIMOTO, Tizuko Morchida; SANTOS, Maria Walburga dos (Orgs.). Jogos e brincadeiras: tempos, espaços e diversidade (Pesquisas em Educação). São Paulo: Cortez, 2016.

OLIVEIRA, Paulo de Salles. O que é brinquedo. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1989.

POMBO, Olga. Interdisciplinaridade e integração dos saberes. Liinc em Revista, Lisboa, v. 1, n. 1, p. 3-15, 2005.

ROCHA, Maria de Lourdes Gonçalves Machado. Brincar: oportunidade lúdica nos tempos livres da criança? In: KISHIMOTO, Tizuko Morchida; SANTOS, Maria Walburga dos (Orgs.). Jogos e brincadeiras: tempos, espaços e diversidade (Pesquisas em Educação). São Paulo: Cortez, 2016.

ROSSETTI, Cláudia Broetto; SMARSSARO, Taísa Rodrigues; PESSOTTI, Tatiana Lecco. Inventário das brincadeiras e jogos de crianças em diferentes municípios do estado do Espírito Santo. Revista psicopedagia, v. 26, n. 81, p. 388-395, 2009.

RODRIGUES, Divania Luiza; MARRONI, Paula. Carolina T. Pieter Bruegel e os jogos infantis: imagens medievais como origem das práticas corporais contemporâneas. Jornada de Estudos Antigos e Medievais, XI. Anais..., Maringá, PR, 2013. Disponível em: . Acesso em 04 de jul. 2020.

RODRIGUES, Rogério. Sociedade, Corpo e Interdições: contribuições do estudo de Marcel Mauss sobre as técnicas do corpo. Conexões, v. 0, n. 4, p. 129-140, 2000.

SALGADO, Karen Regina; SCAGLIA, Alcides José. Os exergames como recurso didático no ensino do atletismo na educação física escolar. Journal Physical Education, v. 31, e3146, 2020.

SARMENTO, Manuel. Imaginário e culturas da infância. Cadernos de Educação. Braga, Portugal: Universidade do Minho, Instituto de Estudos da Criança, 2003.

SCAGLIA, Alcides José. Jogo: um sistema complexo. In: FREIRE, João Batista; VENÂNCIO, Silvana. O jogo dentro e fora da escola. Campinas, SP: Autores Associados, 2005.

______. O futebol e as brincadeiras de bola: a família dos jogos de bola com os pés. São Paulo: Phorte, 2011.

SILVA, Lúcia Isabel da Conceição e colaboradores. Diferenças de gêneros nos grupos de brincadeira na rua: a hipótese de aproximação unilateral. Psicologia: reflexão & crítica, v. 19, n. 1, p. 114-121, 2004.

TSCHOKE, Aline e colaboradores. Espaço, lugar e brincadeiras: o que pensam os professores e o que vivem os alunos. Pensar a prática, v. 15, n. 2, p. 272-284, abr./ jun., 2012.

TUAN, Yiu-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Londrina, PR. Eduel, 2013.

TURINO, Célio. Educação não formal, jogo e brincadeira. Cadernos Cenpec, v. 1, n. 2, p. 107-114, 2006.

VIGOTSKI, Lev Semenovich. A formação social da mente. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

______. Imaginação e criação na infância. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

VOLPATO, Gildo. Jogo, brincadeira e brinquedo: usos e significados no contexto escolar e familiar. 2. ed. Criciúma, SC: UNESC/ São Paulo, SP: Annablume, 2017.

WIKIPEDIA. Pieter Bruegel the Elder - Children’s Games. Disponível em: . Acesso em: 24 de jul. de 2019.

ZIMMERMANN, Ana Cristina. O jogo: sobre encontro e tradições. In: ZIMMERMANN, Ana Cristina; SAURA, Soraia Chung (Orgs.). Jogos tradicionais. São Paulo: Pirata, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Corpoconsciência

Revista Corpoconsciência

Faculdade de Educação Física da Universidade Federal de Mato Grosso - FEF/UFMT

Avenida Fernando Correa da Costa, 2367, Boa Esperança, Cuiabá, Mato Grosso, Brasil, CEP 78060-900

E-mail: ecmmoreira@uol.com.br