ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE MATO GROSSO

Larric Johnny Malacarne, Natany Martins de Jesus, Vanessa de Jesus Proença, Victor Zandonadi Nascimento da Silva, Flavia Lúcia Blum

Resumo


Este artigo resulta de pesquisa realizada no Núcleo de Execu-
ções Penais (NEP) da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso, no
ano de 2015, e visa a contribuir com algumas reflexões sobre a realidade
vivida pelos familiares de pessoas apenadas e a elas dar visibilidade. A
pesquisa teve por objetivo investigar a percepção do familiar sobre a
pena imposta àquele que cometeu o delito e o modo como o encarceramento de um parente repercute em sua vida. Foram feitas entrevistas
semi-estruturadas com 47 familiares. A coleta e análise de dados possui
delineamento qualitativo de caráter exploratório-descritivo. Os resultados foram pensados, principalmente, a partir da psicanálise. Por meio da
pesquisa, foi possível perceber as alterações que o encarceramento de
um membro da família traz na vida dos familiares. A pesquisa fez parte
do projeto de extensão universitária do curso de Psicologia da Universidade Federal de Mato Grosso, câmpus de Cuiabá, e permitiu a experimentação do tripé acadêmico: ensino, pesquisa e extensão. Ao cumprir
com aquilo que a extensão prevê, ou seja, articular universidade e sociedade, cada um de nós foi convocado a questionar o campo no qual
estamos inseridos e assim, um dos principais ensinamentos/aprendizados decorrente desse trabalho foi sobre os profssionais que podemos – e
queremos – ser.


Palavras-chave


Núcleo de Execuções Penais; Apenados; Familiares; Tripé Acadêmico.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Marília Marra. O torto e o direito: desafos do trabalho interdisciplinar na defensoria pública. Revista da Defensoria Pública, 5(1), p.

-79, 2012. Disponível em: . Acesso em: 11 mar. 2017.

BLUM, Vera Lúcia et al. O Método Malacarne de Abstração Primária (MMAP) como alternativa para o trabalho de transcrição de entrevistas.

In: V Semana de Psicologia, Cuiabá: Departamento de Psicologia da UFMT, 2016.

BUORO, Andréa Bueno. A cabeça fraca: familiares de presos frente aos dilemas da percepção dos direitos humanos. Revista USP, v. 37, p. 70-81,

Disponível em: . Acesso em: 11 mar. 2017.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo, SP: Atlas, 2008.

______. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo, SP: Atlas, 2009.

GONZAGA, Vanessa Portes Galvão. A sombra do encarceramento: o entorno das prisões. Tese de Doutorado – Instituto de História, Universidade

Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, 2013.

GUIMARÃES, Cristian Fabiano. et al. Homens apenados e mulheres presas: estudo sobre mulheres de presos. Psicol. Soc., Porto Alegre, v. 18, n.

, p. 48-54, Dez. 2006. Disponível em .

Acesso em: 11 mar. 2017.Corixo - Revista de Extensão Universitária 7

POUPART, Jean et al. A pesquisa qualitativa: Enfoques epistemológicos e metodológicos. Tradução de A. C. Nasser. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

RIBEIRO, Elisa Antônia. A perspectiva da entrevista na investigação qualitativa. Evidência, Araxá, v. 4, n. 4, p. 129-148, 2008. Disponível em

. Acesso em: 11 mar. 2017.

SCHMIDT, Myres Gabardo. Familiares de presos: Relação entre o sistema penitenciário e a expectativa da família quanto à recuperação do apenado. In: Revista da escola do Serviço Penitenciário. Ano II, nº. 08, 1984.

TURATO, Egberto Ribeiro. Tratado da Metodologia Clínico-qualitativa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

WOLFF, Maria Palma. Antologia de vidas e histórias na prisão: Emêrgencia e Injunção de Controle Social. Rio de Janeiro, RJ: Lúmen Júris, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Corixo - Revista de Extensão Universitária